Conheça o processo de Quebra Técnica por meio do sistema AgroGestão

Segundo informações da CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento (2021), a quebra técnica se refere à perda de peso resultante da atividade respiratória dos grãos, a perda de pó e a redução natural do teor de umidade do produto armazenado, ou seja, a quebra técnica pode ser definida como a perca de volume do grão, sendo um processo involuntário e natural.

O processo de geração da quebra técnica no Agrogestão pode ser dimensionado da seguinte forma:

  • Cadastro da vigência;
  • Fórmulas Quebra Técnica;
  • Parâmetros Descontos;
  • Cálculos Cerealistas;
  • Validação de saldos de forma macro.

A vigência nada mais é que o horizonte de tempo a ser utilizado nos cálculos cerealistas, formada por uma data inicial e uma data final pré-estabelecida. Atualmente, o sistema atende as vigências quinzenais e mensais, sendo necessário evoluir para o tipo “diário”, visto que é uma demanda recorrente de clientes situados no Sul de Minas Gerais e regiões do Sul de Goiás. A fórmula Quebra Técnica pode ser definida como um conjunto de passos que, ao ser executados, tem-se um resultado esperado, a quebra técnica em Kg. Os parâmetros descontos é uma tela muito importante para o processo de execução da quebra técnica, através dela é possível dimensionar quem vai usar (cooperante) e quanto (taxa de quebra). Por fim, a tela “Cálculos Cerealistas” é responsável por processar os cálculos de acordo com a vigência selecionada, tendo como resultado a quantidade quebrada.

Outro cálculo realizado em paralelo ao cálculo de quebra técnica, é taxa de armazenagem. Tendo um comportamento semelhante à quebra técnica, a taxa de armazenagem é normalmente cobrada em valor monetário por sacas, de acordo com o período de armazenagem do grão. Dessa forma, ao executar o cálculo da quebra técnica, consegue-se também executar o cálculo da taxa de armazenagem, gerando o financeiro referente à prestação de serviços de armazenagem.

O consultor de implantação Álif salienta, que é de extrema importância validar os cálculos cerealistas executados, com objetivo de simplificar as análises e uso do sistema de gestão. Dessa forma é possível agregar valor nos treinamentos repassados, trazendo confiabilidade e transparência na implantação do sistema para com o cliente.

Fonte: Álif R. F Reis – Consultor de Implantação AGRO1.

O relato foi construído após o treinamento realizado no dia 05 de março de 2021. O treinamento fundamentou-se primeiramente nos conceitos e em seguida pela parte prática, além das orientações quanto aos cálculos cerealistas executados.

A importância dos controles e da gestão em propriedades rurais

A importância dos controles e da gestão em propriedades rurais

A utilização do orçamento como ferramenta de tomada de decisão dentro do negócio se torna extremamente importante ao ponto de ter um comparativo entre o orçado e realizado e também para uma previsão de caixa futuro, o que ajuda com que o produtor não tenha surpresas futuras em relação a falta de caixa.

                Outro benefício para o produtor que tem uma dificuldade financeira é que o fluxo de caixa orçado vai contribuir para que ele tenha uma previsão de suas contas e consiga realizar uma programação de pagamento.

                O controle de insumos de terceiros se torna extremamente importante uma vez que é possível verificar a disponibilidade de insumos que o produtor tenha a receber ainda e com isso seja possível planejar a logística de entrega destes produtos, evitando assim a falta de insumos na fazenda.

É importante demonstrar para o usuário que faz os lançamentos no sistema a importância do que está sendo feito e o impacto disso no resultado da fazenda, deste modo o usuário vai entender que o impacto de um simples lançamento no sistema é de extrema importância para a tomada de decisão do gestor do negócio.

                Referente a manutenção de máquinas, é preciso orientar ao operador a responsabilidade que ele tem sobre a máquina que ele está usando e de encaminhar relatórios para que seja possível realizar a análise dos lançamentos e questionar tais informações, proporcionando mais agilidade na resolução dos problemas.

                Entendo que destacar a importância do planejamento a longo prazo para a saúde financeira da fazenda, ou seja, o produtor precisa estar preparado para o que vai acontecer em safras futuras dentro da sua empresa e se precaver para possíveis problemas que aconteçam no decorrer do período.

Fonte: Gean Paulo Rodrigues | Consultor de implantação Agro1

Conheça as vantagens do Agrogestão Web

Conheça as vantagens do Agrogestão Web

A gestão à vista pode ser descrita como uma grande aliada aos processos de comunicação e engajamento entre colabores e departamentos de uma organização empresarial. A possibilidade de enxergar dados e informações em tempo real permite a construção de indicadores-chave de desempenho, favorecendo a tomada de decisões de forma segura e assertiva, reduzindo riscos potenciais e retrabalho.

Como fazer gestão à vista trazendo transparência e simplicidade no processo de tomada de decisões de forma ágil?

A resposta é simples! Através do Agrogestão Web!

Traduzindo mais de 26 anos de expertise no agronegócio e o que há de mais recente em tecnologia da informação, a Página Web vinculada ao Agrogestão permite que a organização como um todo acompanhe:

  • Fluxo de informações do Financeiro
  • Compras
  • Pesagens
  • Geoindicadores
  • Sementes
  • Customer Relationship Management (CRM)
  • Máquinas
  • Contratos de Produtos

Isso tudo de forma simples e dinâmica!

Fonte: Álif R. F. Reis – Consultor de Implantação AGRO1.

O relato foi construído após o treinamento realizado no dia 15 de março de 2021, ministrado pelo facilitador Leandro Lineker, consultor de implantação. O treinamento fundamentou-se primeiramente nos conceitos e em seguida pela parte prática, configurações e análises de resultados, além das orientações quanto à estrutura mínima exigida para o funcionamento harmônico da ferramenta.

Agricultura Digital - Agricultura 4.0

Webinar Grupo Agros analisa benefícios da Agricultura Digital

Discutir os benefícios da agricultura digital (4.0), trocando experiências a partir da análise de soluções tecnológicas capazes de melhorar o planejamento, a gestão e a produtividade das áreas rurais, gerando mais eficiência e redução de custos, qualidade da produção e acesso ao mercado foram os temas centrais da Webinar Grupo Agros – 2a edição, realizada nesta quinta-feira, 25.

A atividade, que contou com audiência de todo o País, teve como mediador o coordenador comercial da AGRO1, Daniel Sygel; além dos painelistas: engenheiro agrônomo e consultor da AgroExata, Bruno Milan; engenheiro agrônomo e gestor de Clientes da Agros Assessoria,Tiago Lamb; e o também engenheiro agrônomo e responsável pela Fazenda Paiquere/PR, Alisson Fornari.

Aqila, presença nacional

Coube a Bruno Milan abrir os trabalhos, apresentando as vantagens e diferenciais da plataforma Aqila, que está presente nos principais estados produtores do país. “Trabalhamos com o Aqila desde 2017, o que nos permitiu aumentar a interação, permitindo melhor monitoramento e controle da propriedade na palma da mão e em tempo real.

Entraves ainda precisam ser superados

Em seguida, Tiago Lamb falou a respeito das principais carências para implantação das novas tecnologias no campo, com destaque à ausência de equipes preparadas/capacitadas; falta de estrutura (redes de internet); e a ausência da integração entre plataformas, elementos que devem ser superados em breve, opinou.

Revolucionando a fazenda

Já Alisson Fornari observou que a agricultura 4.0 veio para revolucionar a forma como veremos a fazenda, unindo rapidez na coleta de dados de forma espacializada e precisa; o que, de um lado, deve gerar menos dependência de mão de obra para coleta e, de outro, demandará pessoas especializadas para análise, interpretação e tomada de decisões – o que será feito de forma mais rápida, aumentando a precisão na gestão dos processos de produção.

Mapa NDVI

Durante cerca de meia hora, o trio também respondeu a questionamentos dos participantes, com destaque à perspectiva de expansão das tecnologias baseadas em dados ou imagens geradas por sensores remotos, com satélites e drones, levando em consideração o mapa NDVI.

Inovação garantida

O evento foi encerrado com uma garantia do sócio fundador do Grupo Agros, Gilnei Molossi: “Somos uma empresa de inovação. Por isso, tenham certeza de que honraremos nosso compromisso de entregar a parceiros e clientes as melhores soluções disponíveis no mercado”.

E-social para Produtor Rural: entenda o evento S-1250 AQUISIÇÃO DE PRODUÇÃO RURAL

A obrigatoriedade do e-Social começou a valer para os integrantes do setor rural, isso porque, as empresas precisaram iniciar a transmissão de informações tributárias para a Receita Federal.

Com isso, é bastante comum que muitas dúvidas apareçam durante a implantação do recurso, pensando nisso, esse post vem para esclarecer algumas dúvidas sobre a ferramenta.

O e-Social é uma ferramenta criada pelo Governo Brasileiro com a finalidade de unificar e padronizar as informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas que serão enviadas pelo empregador. Portanto, não se trata da criação de novas obrigações, apenas a unificação das exigências em um único local.

O Governo Federal inseriu os produtores rurais na obrigatoriedade do envio de dados relacionados à sua rotina de trabalho e o seu negócio por meio dessa ferramenta. A exigência do sistema recai sobre os produtores rurais pessoas físicas, produtores rurais pessoas jurídicas, agroindústrias, empresas prestadores de serviços rurais e adquirentes de produção rural.

O software Agrogestão, ferramenta ofertada pela Agro1, detêm da funcionalidade para a emissão do e-Social evento S-1250 que rege a aquisição de produções rurais. Acompanhe e tire suas dúvidas sobre a emissão deste documento.

Conceito e-Social Evento S-1250:

De acordo com o Manual de Orientações do eSocial: “são as informações relativas à aquisição de produção rural de origem animal ou vegetal decorrente de responsabilidade tributária por substituição a que se submete, em decorrência da lei, a pessoa física (o intermediário), a empresa adquirente, consumidora ou consignatária, ou a cooperativa.”

Quem está obrigado:

  1. Pessoas Jurídicas em geral, quando efetuar aquisição de produtos rurais de pessoa física ou de segurado especial, independentemente de as operações terem sido realizadas diretamente com o produtor ou com intermediário pessoa física;
  2. Pessoa Física (intermediário) que adquire produção de produtor rural pessoa física ou de segurado especial para venda no varejo a consumidor final pessoa física, outro produtor rural pessoa física ou segurado especial;
  3. Entidade inscrita no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), quando a mesma efetuar a aquisição de produtos rurais no âmbito do PAA, de produtor rural pessoa física ou pessoa jurídica;
  4. A cooperativa adquirente de produto rural;
  5. A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), quando adquirir produtos do produtor rural pessoa física ou do produtor rural pessoa jurídica, destinados ao Programa de Aquisição de Alimentos, instituído pelo art. 19 da Lei nº 10.696/2003.

Prazo de envio:

Estes eventos devem ser enviados até o dia 07 do mês seguinte ou antes do envio do evento S – 1299 – Fechamento dos Eventos Periódicos, o que ocorrer primeiro. Antecipa-se o envio destes eventos para o dia útil imediatamente anterior quando não houver expediente bancário.

Esse material foi útil para você? Nos acompanhe nas redes sociais Agro1!

Fonte: Talita Conte – Suporte Agro1